Skip to navigation – Site map

Patrimônios alimentares das crianças

Abordagens Antropológicas
Charles-Édouard de Suremain and Clarice Cohn

Abstract

O número propõe a análise da participação da criança no patrimônio alimentar, uma variação especial do tangível e intangível pouco estudada a partir de uma perspectiva antropológica. A criança é colocada no centro do debate, que pretende explorar o significado, forma e função desta herança alimentar especial, e para entender melhor o processo de construção e transmissão de identidades infantis e a construção da infância e da pessoa.

Top of page
  • 1 É neste sentido que os “costumes gastronômicos franceses” figuram no inventário do patrimônio cultu (...)

O conceito de "patrimônio alimentar" é uma variante da noção de "Patrimônio cultural" (UNESCO, 2003). Como esse, o Patrimônio alimentar refere-se a dimensões "materiais" e, especialmente, "imateriais", com contornos difíceis de descrever (Colóquio Cerisy 2012, Csergo 2011). Em sua dimensão material, trata-se, para uma dada área cultural e geográfica, do conjunto claramente definido dos pratos, ingredientes, modos de produção e distribuição, técnicas culinárias, modos de preparação, de conservação, de tratamento dos resíduos e do consumo dos alimentos que se transmitem de geração em geração. Nas suas dimensões imateriais, o patrimônio alimentar abrange a hospitalidade, a comensalidade, as práticas, a aprendizagem e a aquisição dos conhecimentos, as "boas maneiras à mesa", as representações, os discursos, os imaginários ou ainda a ritualização envolvidos na transmissão das práticas alimentarias. Não redutível às suas produções concretas, o patrimônio alimentar imaterial explicita a identidade de uma comunidade ou de um grupo social1.

  • 2 Observatoire Ocha, Jeudy (org) (1990), Ethnologie Française (1997), Techniques & Culture (1998), An (...)
  • 3 Cros (1992), Lancy (1997), Suremain (2000), Cohn (2002), Mignot (2002), Razy (2007). Na sociologia, (...)

A partir de uma perspectiva antropológica, a questão de patrimônio alimentar é regularmente debatida2. No entanto, aquela de "patrimônio alimentar das crianças” tem sido pouco estudada, exceto pelos trabalhos de Annie Hubert (1994)3. A ênfase, de fato, tem sido dada mais em brincadeiras (Griaule 1938 Rabain 1979; Augustins 1988), rituais (Jonckers 1988, Bonnet e Pourchez 2007; Duchesne 2007; Tonda 2008 Yengo 2008), a questão da criança-ator (De Boeck e Honwana 2000), a construção da criança em geral (Anthropologie et Sociétés 1980; Journal des africanistes 2002, Terrain 2003), na produção de "culturas infantis" especificas (Delalande, 2001, Ethnologie Française 2007 ; Arléo & Delalande 2011).

  • 4 A noção de « matrimoine » pode ser empregada para as transmissões de mães a crianças, mas a única n (...)

Nesta edição de Anthropology of Food, a pergunta que se coloca é se o conceito de patrimônio alimentar – material e imaterial – tem sentido para as crianças, e, se sim, que sentido é esse? Como se caracteriza e se elabora o patrimônio alimentar das crianças? De que constituem? Como se transformam? Como se difundem entre as crianças? Como os patrimônios alimentares das crianças diferem dos patrimônios alimentares dos adultos? Até que ponto se pode dizer que estes modelam aqueles? Finalmente, será apropriado falar em "patrimônio" enquanto a criança (de cerca de 6 anos) é o ator principal de uma construção que se transmite principalmente de maneira "horizontal"4?

Estas perguntas iluminam um tema caro à antropologia: a da dimensão dinâmica dos patrimônios, através da mudança e das transformações alimentares em meio ao que aparece, a princípio, como imutável e da ordem da conservação. Elas também ajudam a pensar sobre a maneira em que a alimentação (preparação, oferecimento, consumo...) e os valores ligados à comensalidade constituem os modos específicos de construção do corpo, da pessoa, das relações sociais e dos papéis sociais desde as primeiras idades, segundo as sociedades. Estas pistas e reflexões iluminam ainda vários temas da antropologia da infância: a diversidade de concepções e noções sociais relacionadas à infância, as relações de gênero, a divisão de tarefas, o corpo, as técnicas corporais, as diferenças sociais entre as crianças e, finalmente, a aquisição de valores culturais e identitários (individuais e/ou coletivos). De forma mais ampla, este número tem como objetivo descobrir os modos de transmissão das representações e das práticas e os discursos relacionados com a alimentação da criança, processo que envolve diversos atores e instituições com que se relacionam (pais, colegas, vizinhos, instituições, meios de comunicação).

Finalmente, o objetivo desta edição é mostrar que a alimentação não pode ser entendida apenas pelo que ela veicula em termos de modelos ou normas (de consumo, de comportamento). Aqui, a alimentação é vista como um vetor essencial para a construção social da criança, e também um suporte privilegiado para a apropriação do mundo dos adultos pela criança; finalmente, a alimentação é uma das principais ferramentas da modelagem do mundo própria à criança, no coração de sua da vida cotidiana.

O resumo deverá ser enviado até 20 de fevereiro de 2013 para clacohn@ufscar.br e Suremain@ird.fr

Bibliography

AUGUSTINS, G. (1988). Le jeu de billes, lieu de la raison, lieu de la passion. Ethnologie Française, 1, 5-14.

ARLEO, A., & DELALANDE, J. (Eds.). (2011). Cultures enfantines. Universalité et diversité. Paris: Presses Universitaires de Rennes.

COHN C. (2002a). A experiência da infância e o aprendizado entre os Xikrin. In LOPES DA SILVA A., MACEDO A.V.L.S. & NUNES A. (Eds.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos (117-149). São Paulo: Global.

Colloque Enfance & Culture, 2010 (15-16-17 décembre), Musée du Quai Branly-Université paris Descartes

CROS, M. (1992). Les nourritures d'identité ou comment devenir lobi. In S. Lallemand, Journet, O., Ewombé-Moundo, E., Ravololomanga, B., Dupuis, A., Cros, M., Jonckers, D. (Ed.), Grossesse et petite enfance en Afrique noire et à Madagascar (pp. 103-118). Paris: L'Harmattan.

De BOECK, P. (2000). Le « deuxième monde » et les « enfants-sorciers » en république démocratique du Congo. Politique Africaine, 80, 32-57.

DELALANDE, J. (2001). La cour de récréation. Pour une anthropologie de l'enfance. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

DIASIO, N. (2004). Au palais de Dame Tartine. Regards européens sur la consommation enfantine. Paris: L'Harmattan.

DUCHESNE, V. (2007). Le rituel de possession: un jeu d'enfants? Jeux enfantins et pratique religieuse. In D. Bonnet & L. Pourchez (Eds.), Du soin au rite dans l'enfance (pp. 231-240). Paris: Érès.

FISCHLER, C. (1982). Biological and Social Determinants of Tastes for Foods in Children and Their Relevance For Nutrition Education and Intervention: an Overvie. Nutrition and the Development of the Child, 402-407.

GLOWCZEWSKI, E. (1995). Adolescence et sexualité. Paris: Presses Universitaires de France.

GRIAULE, M. (1938). Jeux dogons. Paris: Travaux et Mémoires de l'Institut d'Ethnologie.

HUBERT, A. (1994). Les dînettes d'enfants Yao de Thaïlande. In J. Koubi & J. Massard-Vincent (Eds.), Enfants et sociétés d'Asie du Sud-Est (pp. 119-129). Paris: L'Harmattan.

JONCKERS, D. (2007). Les vieilles petites personnes autonomes. Pratiques de la transe et des sacrifices par les enfants minyanka bamana du Mali. In D. Bonnet & L. Pourchez (Eds.), Du rite au soin dans l'enfance (pp. 211-230). Paris: Erès.

LANCY, D. (1996). Playing on the Mother-Ground. Cultural Routines for Children's Development. New York: The Guilford Press.

MIGNOT, J.-M. (1996). Exemples de techniques d'acquisition de produits alimentaires mises en œuvre par les enfants massa Bugudum. In I. de Garine, A. Froment, Ch. Binam Bikoi, J.-F. Loung (Ed.), Bien manger et bien vivre. Anthropologie alimentaire et développement en Afrique intertropicale: du biologique au social (pp. 425-432). Paris: Orstom-L'Harmattan.

Numéro Spécial. (1980). L'usage social des enfants. Anthropologie et sociétés, 4(2).

Numéro Spécial. (1997). Pratiques alimentaires et identités culturelles. Ethnologie française, 1.

Numéro Spécial. (1998). Dynamique des pratiques alimentaires. Techniques & Culture, 31-32.

Numéro Spécial. (2002). L'enfant dans le bassin du lac Tchad. Journal des Africanistes, 72(1).

Numéro Spécial. (2003). Enfant et apprentissage. Terrain, 40.

Numéro Spécial. (2003). Passages à l'âge d'homme. L'Homme, 167-168.

Numéro Spécial. (2007). Anthropologie de l'école. Ethnologie Française, 37(4).

Numéro Spécial. (2011). Patrimoines alimentaires. Anthropology of Food, S2011.

Observatoire Ocha Patrimoine alimentaire [http://www.lemangeur-ocha.com/synindex/patrimoine-alimentaire.html]

RABAIN, J. (1979). L'enfant du lignage. Du sevrage à la classe d'âge chez les Wolof du Sénégal. Paris: Payot.

RAZY, É. (2007). Naître et devenir. Anthropologie de la petite enfance en pays Soninké (Mali). Nanterre: Société d’Ethnologie de Nanterre.

SUREMAIN (de), C.-É. (2000). Dynamiques de l'alimentation et socialisation du jeune enfant à Brazzaville (Congo). Autrepart, 15, 73-91.

SUREMAIN (de), C.-É. (2010). S’alimenter pour les enfants de la rue. Entre stratégie de survie et transmission horizontale (La Paz, Bolivie), Colloque International Consommations alimentaires, cultures enfantines et éducation. Université de Poitiers: 1 Avril 2010. V.-I. de La Ville (coord.).

TONDA, J. (2008). La violence de l’imaginaire des enfants-sorciers. Cahiers d'Études Africaines, 189-190, 325-343.

YENGO, P. (2008). Le monde à l'envers. Enfance et kindoki ou les ruses de la raison sorcière dans le bassin du Congo. Cahiers d'Études Africaines, 189-190, 297-343.

Top of page

Notes

1 É neste sentido que os “costumes gastronômicos franceses” figuram no inventário do patrimônio cultural imaterial da UNESCO.

2 Observatoire Ocha, Jeudy (org) (1990), Ethnologie Française (1997), Techniques & Culture (1998), Anthropology of Food (2011).

3 Cros (1992), Lancy (1997), Suremain (2000), Cohn (2002), Mignot (2002), Razy (2007). Na sociologia, cf. Diasio (2004) e o colóquio Enfance & Cultures (2010).

4 A noção de « matrimoine » pode ser empregada para as transmissões de mães a crianças, mas a única noção que pode dar conta da transmissão de crianças a outras crianças é a de “transmissão horizontal” (Suremain 2010).

Top of page