Skip to navigation – Site map

Diversidade alimentar e urbanização: o papel das migrações circulares indígenas no Noroeste Amazônico

Diversidad alimentaria y urbanización: el papel de las migraciones circulares de los indígenas en el Noroeste Amazónico
Ludivine Eloy

Abstracts

A cidade de São Gabriel da Cachoeira, localizada no noroeste da Amazônia brasileira, é majoritariamente habitada por famílias indígenas. Neste artigo, investigamos em que medida as territorialidades indígenas propiciam a manutenção de uma diversidade alimentar neste contexto. Para tanto, combinamos o estudo de sistemas de produção periurbanos, a observação participante de práticas alimentares e a análise das principais linhas de abastecimento alimentar na cidade. A incorporação de alimentos de origem exógena nas refeições indígenas deve-se principalmente às condições de acesso aos recursos naturais e de mobilização da mão de obra. Para contornar essas dificuldades, os grupos domésticos articulam os recursos urbanos e florestais por meio da produção multilocal e da migração circular cidade-floresta. Além disso, na escala da família extensa, as redes de troca entre a cidade e a floresta favorecem a manutenção da qualidade dos produtos e da agrobiodiversidade.

Top of page

Full text

1Nas florestas tropicais, a prática de um conjunto de atividades complementares de uso e manejo de recursos assegura tradicionalmente uma dieta particularmente diversificada. A intensa mobilidade espacial dos indivíduos costuma propiciar a exploração de espaços-recursos dispersos e sazonais (Hladik et al., 1996, Dufour, 1988; Bahuchet, 2000). Na Amazônia, a história da colonização é marcada por tentativas recorrentes de sedentarização e de concentração da população indígena por missionários e militares, mas também pela exploração da sua força de trabalho para a coleta de produtos florestais. Sob essa influência, as famílias indígenas abandonaram paulatinamente o habitat comunitário e adotaram uma dieta parcialmente dependente da economia de mercado (Pinton, 1985).

  • 1  Na Amazônia brasileira, a taxa de urbanização é, atualmente, de cerca de 70% (Barbieri et al. 2007 (...)

2Legado da história, a urbanização rápida1 tornou-se um processo generalizado na Amazônia nos últimos anos, não apenas nas zonas pioneiras, mas também nas terras indígenas afastadas da rede rodoviária (Siren, 2007; Eloy & Lasmar, 2006). O crescimento das cidades da “Amazônia dos rios” resulta do enfraquecimento do mercado de produtos extrativistas e da vontade de ascensão social por parte da população local (emprego, educação) (Emperaire, 2000). O processo de mudança dos índios para a cidade é frequentemente descrito como uma série de fenômenos associados: i) simplificação do painel de atividades produtivas, ii) sedentarização do sistema de cultivo de corte e queima, iii) perda de diversidade material cultivada e iv) perda de autonomia alimentar e econômica (Grenand, 1996; Melnyk, 1996).

  • 2  A migração circular, ou circulação migratória, é definida aqui como "uma mobilidade alternativa, r (...)
  • 3  Neste texto, o « espaço de vida » é considerado como o espaço que inclui as diferentes residências (...)

3No entanto, nos últimos vinte anos, as pesquisas em ciências humanas e sociais mostram que a concepção comum do processo migratório, geralmente entendido como uma transferência irreversível de uma única residência para outra, tende a dissimular as formas complexas de migração circular2 entre cidade e floresta. A diversificação e a intensificação dos fluxos de pessoas e de bens viabilizam a utilização multilocal do espaço afetado pela migração, especialmente na América Latina (Reboratti, 1986; Barbary et al. 2001; Souchaud et al., 2007; Cortes, 2000). Além disso, como sugerem alguns antropólogos, certos grupos indígenas da Amazônia possuem um espaço de vida3 multilocal entre os centros urbanos e as comunidades (Sahlins, 1997; Moreira, 2003, Robert, 2004). Portanto, cabe perguntar em que medida as territorialidades indígenas, recompostas através das diferentes trajetórias migratórias entre cidade e floresta, propiciam a manutenção de certa diversidade alimentar na Amazônia.

4A nossa reflexão se apoia numa pesquisa conduzida na região periurbana da cidade de São Gabriel da Cachoeira, sede do município de mesmo nome e principal pólo urbano do alto rio Negro, no noroeste da Amazônia Brasileira. Mostraremos que as famílias indígenas articulam os recursos urbanos e os recursos tradicionalmente produzidos na floresta para compor estratégias alimentares particularmente flexíveis.

5Após uma breve descrição da área de estudo e da metodologia adotada, descrevemos os fatores socioeconômicos que explicam a incorporação de produtos agroindustriais nas dietas das famílias indígenas instaladas na cidade. Em seguida, mostramos que a manutenção da diversidade alimentar depende de territorialidade multilocal na escala do grupo doméstico. O estudo das estratégias de comercialização dos excedentes agrícolas irá evidenciar as redes de troca que operam entre os vários grupos domésticos. Estas redes permitem limitar as dificuldades encontradas na venda direta dos produtos na cidade e contribuem para a manutenção da diversidade alimentar. Concluiremos que a conservação da biodiversidade agrícola nessa região representa a manutenção de um patrimônio cultural e biológico.

Zona de estudo e metodologia

Figura 1: Localização de São Gabriel da Cachoeira

Figura 1: Localização de São Gabriel da Cachoeira

6A cidade de São Gabriel da Cachoeira, localizada no extremo noroeste da Amazônia brasileira, no curso do alto rio Negro, possui atualmente 15 mil habitantes. Localizada na entrada de um vasto conjunto de Terras Indígenas, a cidade vem crescendo rapidamente nas últimas décadas. Desde o início dos anos 1970, a população mais do que triplicou devido a um movimento importante de migração oriundo das comunidades indígenas da região (Azevedo, 2003; Eloy & Lasmar, 2006). Hoje, aproximadamente 70% da população urbana são de origem indígena. A sua composição reflete a diversidade sócio-cultural da região: vinte e um grupos étnicos, pertencentes a três famílias linguísticas (Tukano Oriental, Aruaque, e Maku) (ISA / FOIRN, 2004).

7Os ecossistemas amazônicos de águas pretas são caracterizados pela baixa produtividade de biomassa vegetal e animal. A agricultura de corte e queima é realizada em solos ferralíticos, oligotróficos e ácidos (Moran, 1991). A mandioca amarga (Manihot esculenta) e os peixes compõem a dieta básica (Chernela, 1989). O peixe é escasso, se bem que complementado pelos produtos da caça e pela captura de insetos (Dufour, 1988). Enquanto os homens são os principais responsáveis pela obtenção de alimento protéico, a principal fonte calórica são os tubérculos e raízes cultivados pelas mulheres (Hugh-Jones, 1979). A divisão sexual do trabalho, a mobilidade e a pluriatividade formam as bases de uma dieta equilibrada e de uma cultura material diversificada (Ribeiro, 1995).

Foto 1

Foto 1

São Gabriel da Cachoeira

C.A. Ricardo@ISA, 1998, in Cabalzar et Ricardo, 2006.

8Apesar de uma densidade demográfica média muito baixa (0, 2 hab./km2), existem algumas aglomerações populacionais na região da bacia do Rio Negro, sendo a cidade de São Gabriel da Cachoeira a maior delas. Com a implantação de um forte militar no século XVIII, deu-se início em São Gabriel à formação de um povoado que funcionou ao longo dos séculos seguintes como entreposto comercial e base da ação missionária. Durante muito tempo, a vila foi somente uma base para campanhas de produtos florestais, e para expedições militares e missionários. Com o desenvolvimento do extrativismo, ocorreu uma notável mudança nos hábitos alimentares e a farinha de mandioca, por ser mais fácil de armazenar e transportar, passou a ser mais valorizada em detrimento do beiju (Emperaire & Pinton, 1996).

9A partir do século XX, os missionários salesianos reforçaram sua presença no alto rio Negro, construindo internatos em pontos-chave da região, e fazendo de São Gabriel a sede de sua ação. Mas a cidade começou a crescer somente na década de 1970, quando os programas governamentais voltados para o desenvolvimento regional e o reforço do contingente militar contribuíram decisivamente para o processo de urbanização (Eloy et al, 2005). Hoje a população não-indígena de São Gabriel é composta pelos descendentes das famílias de patrões do extrativismo, dos antigos garimpeiros, dos soldados oriundos do sul e nordeste do Brasil, dos missionários e dos funcionários de instituições locais (governo, ONGs, ...). Os "brancos" costumam dispor de uma posição mais vantajosa na estrutura político-econômica e na vida social da cidade. Eles também são privilegiados em relação ao acesso aos serviços públicos (Lasmar, 2005).

10Com base na análise da literatura sobre as estratégias alimentares dos agricultores na América Latina (Mesclier, 2006; Cortes, 1995), e sobre a alimentação nas florestas tropicais (Hladik et al., 1996), nossa hipótese é que a diversidade alimentar das famílias indígenas na zona em estudo é baseada em práticas territoriais e econômicas que garantem a complementaridade entre as atividades produtivas, as atividades de extração dos recursos naturais e o trabalho remunerado.

11Tendo isso em vista, nossa abordagem consistiu em observar e analisar os hábitos alimentares das famílias indígenas na região de São Gabriel durante a análise-diagnóstico dos sistemas de produção. Entre 2002 e 2005, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas em duas amostras. O recorte do primeiro grupo de famílias (n = 210) baseou-se na necessidade de contemplar diferentes partes da cidade (55%) e as comunidades periurbanas (45%). Numa fase de aprofundamento, foi selecionado um grupo de famílias (n=75) que representavam a diversidade dos sistemas de produção, das origens sócio-culturais e dos tipos de organização espacial das unidades de produção. A observação participativa foi facilitada pelo convívio com os nossos informantes na cidade e nas unidades de produção agrícola (participação nas atividades agrícolas, na preparação dos alimentos e partilha das refeições). Por fim, com o objetivo de descrever as principais cadeias de comercialização dos produtos alimentares na região, conduzimos entrevistas semi-estruturadas com uma dezena de comerciantes da cidade.

“Comida de branco”: preferência ou desvantagem urbana?

  • 4  A quinhãpira é um caldo de peixe apimentado, geralmente acompanhado de beiju e molho de tucupi pre (...)

12A heterogeneidade socioeconômica da população urbana cria um mercado de alimentos segmentado, com demandas muito específicas (Pinton et al., 2001).
Os índios que moram na cidade de São Gabriel procuram geralmente produtos regionais baratos. Além das frutas saborosas produzidas localmente (banana, abacaxi, mamão, cupuaçu, pimentas), cabe ressaltar o sucesso do beiju de tapioca (beiju curada) e do beiju seco, geralmente feitos pelos membros das etnias Baniwa e Kuripako. Todas as manhãs, uma dezena de agricultores indígenas vende os seus produtos nas ruas: beijus, farinha de mandioca, garrafas de tucupi apimentado, e frutas. As mulheres indígenas que não possuem roça, ou que possuem somente pequenas roças periurbanas, costumam comprar diariamente esses alimentos para preparar a quinhãpira ou a mujeca4 em casa, no fogão a gás. Por seu lado, a população não indígena, que em geral possui poder aquisitivo mais alto, procura apenas alguns dos produtos locais, tais como legumes-folha e certas frutas (mamão, banana, abacaxi). O resto da sua alimentação vem principalmente dos produtos trazidos de fora da região. Com efeito, os comerciantes mandam trazer de barco ou de avião os produtos agro-industriais armazenados em Manaus. Itens como café, frango congelado, feijão e enlatados vêm do sul do Brasil, enquanto outros, como frutas, legumes, arroz, carne bovina, leite e ovos vêm de outras regiões da Amazônia (Amazonas, Roraima, Mato Grosso).

13Assim, fora do âmbito do pequeno mercado de rua que funciona todas as manhãs, os produtos locais possuem pouca penetração nas cadeias de comercialização de produtos agrícolas, que são controladas principalmente pelos comerciantes não indígenas, interdependentes entre si.

Foto 2

Foto 2

Beiju de mandioca secando ao sol, numa comunidade kuripako da região de São Gabriel da Cachoeira.

L. Eloy@ISA, 2005

14As representações associadas às práticas alimentares reforçam a oposição conceitual entre o mundo dos brancos e o mundo dos índios (Lasmar, 2005). Esta oposição se reflete, por exemplo, nos discursos dos índios quando comparam os modos de vida dos Baré (grupo que tem uma história de contato intenso com brancos) e dos outros povos do alto Rio Negro:

  • 5  Entrevista com Samuel, 49 anos, Desana, oriundo de uma comunidade do rio Tiquié, e que mora em São (...)

« O Baré costuma comer como o Branco. No café da manhã ele toma café, não pode faltar café e bolacha. Nós, Desana, só comemos farinha, beiju e pimenta. É por isso que o Baré não trabalha muito na roça, ele fica na cidade, enquanto nós plantamos muito ». « O que é hoje em dia um Baré? » « O Baré é o descendente do branco. Quer dizer, metade de branco. Eles querem se virar somente com dinheiro. Eles querem pagar para que a gente derrube a roça deles »5.

15Muitas mulheres alegam que seus filhos, por terem crescido na cidade, já estão "acostumados" com arroz, feijão, batatas fritas, doces e pão. Este último alimento, junto com os biscoitos e o café adoçado, compõe atualmente o café da manhã de boa parte da população indígena mais jovem (as padarias se multiplicam na cidade), em detrimento do mingau de tapioca. As mulheres geralmente explicam que estas mudanças estão relacionadas ao fato de que os seus filhos tiveram que "abandonar" certas atividades, como ir à roça e cozinhar com seus pais, por causa da escola, principalmente. No entanto, além de um fenômeno de mudança cultural associado à migração (Bouly de Lesdain, 2002), me parece que a compra e o consumo de alimentos industrializados decorrem das condições de acesso aos recursos naturais e de mobilização da mão de obra das famílias indígenas no contexto urbano.

Foto 3

Foto 3

Mulher baré limpando o peixe que foi pescado pelo marido, no médio Rio Negro.

L. Eloy@ISA, 2006.

16Na comunidade ou no sítio, as refeições são geralmente compostas por peixe fresco, cozido num caldo apimentado (quinhãpira), preparado com suco de mandioca (tucupi) e, às vezes, algum tipo de formiga ou cupim. O peixe é acompanhado por beiju ou farinha de mandioca. O consumo de carne de caça é menos comum, devido à baixa incidência de caça nesta região. O mingau de goma ou de farinha de mandioca é o principal componente da refeição matinal. Durante os longos dias de trabalho na roça (que pode ser muito longe da casa), pais e filhos comem produtos colhidos nas capoeiras ou nas roças: ingá (Inga edulis), banana, cucura(Pourouma cecropiaefolia), cana-de-açúcar e de outras espécies frutíferas. Estes alimentos, consumidos fora dos momentos das refeições, fornecem vitaminas, minerais e gorduras essenciais para a alimentação (Dufour, 1988). Cabe destacar que certos tubérculos cultivados, apesar de raros nas roças, são bem mais ricos em proteína do que a mandioca. É o caso da taioba(Xanthosoma sp.), que contém 19 g proteína / kg, ou da araruta (Maranta lutea) com 18 g proteína / kg, isto é, quase dez vezes mais do que a farinha de mandioca amarela (ibid.). Estas batatas são assadas na brasa, cozidas na água ou incorporadas ao caxiri (bebida fermentada à base de mandioca).

Foto 4

Foto 4

Café da manhã no sitio de uma mulher baré em São Gabriel da
Cachoeira: de esquerda para direita, e de baixo para cima: cesto de frutas (abacaxi, cupuí, pupunha, cacau), umari (amarelo e preto), frutos de pupunha descascados, bananas ‘nanica’ cozidas no leite, mamão, farofa de ovo, banana verde frita, mingau de goma e café.

L. Eloy@ISA, 2006.

17Na cidade, a principal fonte de proteína é o frango, que se compra congelado nos supermercados. A farinha de mandioca entra em menor proporção nas refeições, mas ainda assim é imprescindível: ela é misturada com outros carbohidratos (arroz, feijão) ou com o caldo de galinha. Contudo, parece que é a mudança da fonte principal de proteínas que acarreta a mudança dos hábitos alimentares. De acordo com um dos meus informantes Tukano: "sem peixe, não comemos beiju e pimenta, com frango, tem que complementar com arroz e feijão."

  • 6  Dispositivos fixos para capturar peixes na ocasião de suas migrações rio acima, feito de tala de p (...)

18Nos arredores de São Gabriel, a escassez de alimentos ricos em proteína torna-se mais acentuada. Além disso, as terras disponíveis cobertas por florestas densas de terra firme, aptas para o cultivo em roças, são dificilmente acessíveis via fluvial (Meira, 1997). A crescente escassez ou indisponibilidade de recursos naturais e alimentos decorre tanto da pressão demográfica como da apropriação das terras agrícolas e dos lugares piscosos (cacuris6 em certas cachoeiras) por famílias influentes. Já que o tecido urbano e as estradas crescem em direção do Norte, “virando as costas ao rio”, é necessário percorrer longas distâncias para pescar ou cultivar, o que exige muito tempo e energia, porque as famílias indígenas raramente possuem meios de transporte terrestre motorizado (Eloy, 2008a).

19Por outro lado, a alimentação não depende somente da origem e da natureza dos ingredientes, mas também do processo de preparação, da qualidade do combustível e dos utensílios utilizados. Ao contrário das panelas de metal, cozinhar em uma panela de barro confere um sabor especial ao caldo de peixe. Neste caso, é melhor usar um combustível vegetal, para não correr o risco de quebrar o recipiente. Porém, na cidade, é difícil cozinhar com fogo a lenha. Além das roças serem muito distantes, a fumaça pode incomodar a vizinhança. O alto preço do gás é, portanto, um fator que explica porque na cidade é raro preparar os alimentos que exigem um longo tempo cozinhando, como a pupunha (Bactris gasipaes) ou o suco de mandioca amarga (manicuera).

20A Tabela 1 mostra que, no mercado urbano, a farinha de mandioca produzida pelos agricultores locais ou regionais  concorre diretamente com os produtos agroindustriais “importados”, como o arroz e o macarrão. O feijão preto tem a vantagem de fornecer mais proteínas, além da ração calórica, e costuma substituir carne ou peixe nos períodos difíceis. Contudo, o peixe fresco é a fonte de proteína mais cara da cidade.

Tabela 1

Tabela 1

Custo das calorias e das proteínas em alguns alimentos consumidos em São Gabriel

*teor protéico do alimento cru

**menor preço levantado nas lojas da cidade

21No entanto, se o tipo de alimento que se consome na cidade é diferente do que se come no sítio, trata-se de momentos diversos da vida das mesmas pessoas, a dieta variando ao longo do ano de acordo com a atividade econômica que estejam exercendo. Na próxima parte, analisaremos como a pluriatividade e a mobilidade dentro dos grupos domésticos favorecem a manutenção de certa diversidade alimentar.  

Territorialidades em rede e diversidade alimentar

22O estudo das trajetórias de migração revela que o movimento de aproximação à cidade não pode ser caracterizado pura e simplesmente como ´êxodo rural`, ou seja, como um movimento abrupto e definitivo de transferência de residência familiar das Terras Indígenas para o centro urbano. O deslocamento até o centro urbano ocorre geralmente de maneira progressiva. Num primeiro momento, apenas uma parte do grupo doméstico se muda para a cidade ou para comunidades situadas na área periurbana, até que haja condições propícias para a instalação adequada de todos. Os movimentos migratórios polarizados pela cidade podem ser definitivos ou temporários e se apresentam combinados com uma mobilidade sazonal entre cidade e floresta.

23Mais de um terço dos grupos domésticos que reside na área urbana possue uma unidade de produção agrícola, e cerca de 50 famílias mantêm sua roça na sua localidade de origem (ISA/FOIRN, 2004). Para muitas mulheres residentes na cidade, o fato de cultivar e cozinhar os produtos da roça reveste-se de um valor simbólico singular. Cuidar de sua roça e de seu quintal, mesmo que sejam muito pequenos, continua sendo uma fonte de satisfação e auto-estima femininas (Eloy, 2003; Lasmar, 2005)

24Mas a maioria das famílias citadinas possui duas ou três residências: uma localizada na cidade, e a(s) outra(s) num povoado ou num sítio distante. O padrão de residência múltipla associa-se à multilocalidade produtiva. Estas famílias possuem, ao mesmo tempo, uma roça perto da cidade, da qual se ocupam diariamente, e um ou mais sítios de produção mais distante(s) e manejado(s) de maneira mais extensiva. Cada um desses espaços de vida propicia o acesso aos recursos naturais, mercadorias e serviços complementares, que circulam no espaço e entre as pessoas. A alternância entre os pólo florestal e urbano é ritmado pelos calendários escolar, agroflorestal e de pesca, assim como pelas oportunidades de trabalho remunerado.

25Por outro lado, os moradores das comunidades e sítios da zona periurbana também possuem ou desfrutam, em sua maioria, de uma residência na cidade. Porém, se 75% dos chefes de família entrevistados na cidade apresentam um padrão multilocal, apenas metade consegue manter uma roça produtiva, devido ao tempo e custo de transporte e à generalização da propriedade privada na zona periurbana (Eloy, 2008b).

26Os índios citadinos que não possuem terra, meios de transporte adequados, ou mão de obra familiar suficiente para manter suas roças, costumam lançar mão de algumas alternativas para obter alimentos de qualidade, como a compra direta do produtor no mercado local, ou as redes de trocas com os parentes e conhecidos. O estudo das estratégias de produção e de comercialização utilizadas pelos agricultores permite identificar as diferentes formas de abastecimento das famílias indígenas na cidade.

Venda direta e redes de troca

27Alguns agricultores especializam sua produção para o mercado. Há várias situações.

28O primeiro caso é o das famílias indígenas instaladas há menos de dez anos nas comunidades periurbanas de beira de estrada, ou na cidade. Possuem mão de obra familiar e acesso a terras florestais suficientes (território da comunidade ou assentamento agrícola), mas não têm acesso aos recursos pesqueiros e não possuem uma renda monetária fixa. Essas famílias têm interesse em vender grandes quantidades de mandioca e de bananas para comprar alimentos ricos em proteínas (frango congelado, carne, feijão preto). Como não dispõem de meios para transportar a produção, estabelecem relações privilegiadas com os comerciantes, que buscam os produtos de carro na saída do caminho da roça ou em casa.

29Outro caso de especialização para o mercado é o das famílias que têm acesso reduzido a terras cultiváveis e pouca renda complementar. As terras se localizam geralmente perto da cidade, mas estão cobertas por uma capoeira nova, não permitindo o cultivo de espécies exigentes (banana, pimenta, abóbora, etc.). Essas famílias transformam a maior parte da sua produção de mandioca em beiju do tipo curada e tapioca, que vendem  diariamente nas ruas da cidade. Esse tipo de atividade é reservado para as pessoas que têm uma roça próxima ao centro da cidade, uma vez que se trata de produtos frescos: o beiju curada pode endurecer se a viagem for longa demais.

30Finalmente, o último caso é o das famílias que estão começando a desenvolver a horticultura voltada para o mercado (alface, cebolinha, couve). Tratando-se de uma atividade que exige capital inicial para a compra de equipamentos, e a contratação de mão de obra, essa opção é feita em geral por famílias chefiadas por homens “brancos”, que geralmente investem as suas economias na agricultura após o garimpo ou uma operação comercial.

31Portanto, parece que a especialização dos sistemas de produção indígenas para o mercado é uma adaptação à demanda, mas também diz respeito às dificuldades das famílias para obter renda monetária regular e produzir alimentos diversificados, sobretudo aqueles ricos em proteínas.

32Apesar desses exemplos de especialização, a maioria dos agricultores da região não parece orientar sua produção para o mercado, mas para o autoabastecimento. A comercialização dos excedentes agrícolas não é uma atividade estável. As quantidades disponíveis, irregulares e limitadas, dificultam a integração numa cadeia; além disso, os comerciantes costumam oferecer preços muito baixos. Assim sendo, os produtores utilizam diversas formas de venda direta ao consumidor. Alguns expõem seus produtos na feira de rua matinal, outros percorrem os bairros (porta a porta) a pé ou de bicicleta. Algumas famílias constroem uma pequena venda em frente da casa, na beira da rua.

33Mas a prática mais comum é privilegiar as trocas dentro da rede de parentesco e de conhecidos, por meio de um sistema de encomendas. De fato, quando uma mulher indígena da cidade, que possui renda monetária, encomenda para a sua vizinha uma lata de farinha de mandioca, de tapioca ou de massoca, ela pagará de 30 a 40% mais caro do que a um comerciante, mas estará certa de que vai receber um produto de qualidade. Além disso, podem-se trocar frutas e farinha por mercadorias ou serviços. O seguinte estudo de caso ilustra como uma família utiliza diversas formas de trocas e vendas diretas para escoar seus excedentes agrícolas.

Venda direta : redes e acasos

34Moisés e sua esposa Laura são Baniwa oriundos do baixo Içana. Faz dez anos que moram na aldeia de Cabari, localizada a montante de São Gabriel (uma hora de canoa a motor). Na cidade, eles não têm casa, mas muitos parentes. Quase todas as semanas, eles passam uma noite na casa de Paula, que é a tia de Laura, que reside no bairro Graciliano Gonçalves. Ela tem uma roça no assentamento agrícola da cidade, mas suas filhas trabalham como empregadas domésticas. As primas de Laura sempre encomendam latas de farinha e beiju. Em troca, Laura recebe mercadorias (roupas, sabão, etc) e comida (arroz, feijão etc).

35O primo da mãe de Moisés também mora no bairro Graciliano Gonçalves, desde os sete anos de idade. Ele não tem roça e vive de sua aposentadoria. Quando Moisés e Laura o visitam, levam farinha, beiju e frutas. Na visita seguinte, recebem arroz e frango.

36A rede inclui igualmente Tiago, também Baniwa, primo do pai do Moisés. Tiago, que mora no bairro de Dabaru, é comerciante na cidade. Ele costuma comprar cachos de banana de Tiago e Laura. Além disso, Moisés e sua família vendem peixe no porto para  fregueses regulares e comerciantes, além de pessoas conhecidas que encontram na rua.

37Podemos dizer, portanto, que uma grande parte do excedente agrícola da região de São Gabriel circula no âmbito das redes de parentesco e entre conhecidos. Estas cadeias curtas se apóiam na convergência de interesses entre pessoas que ocupam posições diferentes na escala de classificação social que prevalece no contexto urbano (Lasmar, 2005). Por um lado, elas propiciam o acesso às mercadorias cobiçadas, e permitem resolver o problema pontual de acesso dos moradores das comunidades aos recursos naturais. Por outro lado, do ponto de vista das mulheres indígenas da cidade que possuem renda monetária, a manutenção de uma rede de troca com produtores propicia o acesso a artigos de qualidade da culinária regional (op.cit.).

38Além de se valer das relações de parentesco, é comum que os fornecedores de produtos agroflorestais residam na propriedade dos “compradores”, para cuidar dela e vigiá-la. Um dos filhos do "vigia" pode até morar na residência urbana do proprietário, para estudar na cidade. Assim, a troca de produtos alimentícios também pode implicar uma contrapartida em serviço, o que contribui para que a relação se mantenha. (Figura 2) (Lestage, 2008). Portanto, o sistema de trocas entre cidade e floresta compõe uma rede de circulação no âmbito da qual a diversidade e a qualidade dos produtos, assim como diversidade das plantas cultivadas e os conhecimentos associados são reconhecidos e valorizados.

Figura 2:

Figura 2:

Representação simplificada de uma rede de troca dentro de uma família extensa

Conclusão

39O estudo das relações entre as territorialidades familiares e os sistemas de produção indígenas revela dois tipos de inovação que contribuem para a manutenção da diversidade alimentar na cidade de São Gabriel da Cachoeira: i) na escala do grupo doméstico, a multilocalidade das unidades de produção propicia a manutenção de atividades produtivas enquanto satisfaz novas necessidades criadas pela relação com a cidade, ii) na escala de vários grupos domésticos (família extensa), as redes de troca de produtos agroflorestais e de pesca por produtos agroindustriais asseguram um certo valor à diversidade e qualidade dos produtos indígenas. Tais práticas permitem contornar a dificuldade de realizar a venda direta, dificuldade esta que decorre da falta de transportes públicos e do poder de comerciantes influentes. Assim, a incorporação de elementos da “comida de branco” nas refeições das famílias indígenas não significa necessariamente uma ruptura com o modelo alimentar tradicional, enquanto se mantiver a circulação dos produtos e das pessoas entre a cidade e a floresta (Eloy & Katz, 2008). Este conjunto de práticas se assemelha às estratégias de expansão espacial do abastecimento alimentar, que se tornou essencial para a sobrevivência das famílias camponesas em outras partes da América Latina (Cortes, 1995).

40No entanto, cabe destacar que, na região de São Gabriel da Cachoeira, os termos dos sistemas atualmente vigentes de troca raramente favorecem os produtores. Por outro lado, o poder de compra está concentrado nas mãos da população não-indígena, que, na sua maioria, mal conhece a  diversidade agrícola, culinária e cultural da região. Os responsáveis pelos serviços de apoio à produção agrícola costumam investir em um único tipo de cadeia produtiva e comercial (farinha de mandioca, geralmente). As “feiras de comida típica” muitas vezes oferecem um número limitado de alimentos, e não contemplam a diversidade das práticas e saberes das famílias indígenas participantes, o que tende a homogeneizar a expressão do patrimônio cultural regional. Estes eventos não costumam refletir a criatividade culinária que existe nas cozinhas das mulheres que combina a diversidade dos produtos com a riqueza do conhecimento tradicional. Tendo em vista a mobilidade e a pluriatividade das famílias indígenas da região, é pouco provável que a valorização de um número reduzido de produtos ditos “específicos ao território” garanta a conservação efetiva da biodiversidade agrícola, a geração de  renda e a segurança alimentar.

41Tendo isso em vista, parece-nos que a promoção de cadeias de comercialização que fomentem e valorizem a diversidade e a qualidade dos produtos agroflorestais da região representa uma alternativa interessante para a conservação dos recursos naturais, a proteção do patrimônio cultural e a saúde pública (Johns et al., 2006 ). A diversidade agrícola e culinária poderia ser a "marca" da região de São Gabriel e do Rio Negro. Para tanto, é preciso investir na melhoria do sistema de transporte público via fluvial e testar instrumentos jurídicos e econômicos que permitam a divulgação, a valorização e a proteção da agrobiodiversidade como um todo. Mas o principal desafio é, ao mesmo tempo, manter o preço dos produtos agrícolas regionais acessível para a maioria da população urbana.

Agradecemos a Charles-Edouard de Suremain, Esther Katz, e Laure Emperaire por seus comentários e correções, e a Cristiane Lasmar pela colaboração na tradução. A pesquisa que deu origem a este artigo foi realizada em parceria com os membros do Instituto Socioambiental e do IRD (UR 200) e financiada pelo Centro Nacional de Investigação Científica (CREDAL / IHEAL) e pelo CNPq (programa PACTA). Agradecimentos também à Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), e às famílias Tukano, Tariano, Desana, Pira-tapuya, Wanano, Baniwa, Baré, Kuripako da região de São Gabriel da Cachoeira que acolheram e apoiaram a realização desta pesquisa entre 2002 e 2006.

Top of page

Bibliography

AGUIAR J.P.L, 1996, « Tabela de composição de alimentos da Amazônia », Acta Amazônica, 26(1/2), 121-126.

AZEVEDO M.M, 2003, Demografia dos povos indígenas do alto rio Negro/AM: um estudo de caso de nupcialidade e reprodução, Tese de Doutorado em Demografia, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 282 p.

Baby Colin, V., Cortes, G., Faret, L., et al. 2005. Approche comparée des parcours de mobilité des migrants internationaux latino-américains. Mexique-Bolivie colloque International « Circulations et territoires dans la migration internationale », mars 2005, Toulouse: 32 p.

Bahuchet S, 2000, Les peuples de forêts tropicales aujourd'hui, Volume II: une approche thématique, ULB, Bruxelles, vol 2, 43-64.

Barbary O, Dureau F, Hoffmann O, 2004, « Mobilités et systèmes de lieux ». In: Dureau F, Barbary O, Goueset V et al. (Eds.), Villes et sociétés en mutation. Lectures croisées sur la Colombie, Éditions Economica, Paris, 69-122.

Bouly de Lesdain S, 2002, « Alimentation et migration, une définition spatiale ». In: Garabuau-Moussaoui I, Palomares E, Desjeux D (Eds.), Alimentations contemporaines, L’Harmattan, Paris, 173-189.

CHERNELA J.M, 1989, « Managing Rivers of Hunger: The Tukano of Brazil », Advances in Economic Botany, 7, 238-248.

CLARK K, UHL C, 1987, « Farming, Fishing, and Fire in the History of the Upper Rio Negro Region of Venezuela », Human Ecology, 1(15), 1-26.

Cortes G, 1995. « Migrations temporaires au Chaparé (Bolivie) et stratégies alimentaires. » Cah. Sci. Hum. Orstom, 31 (4), 951-967.

Cortes G, 2000, Partir pour rester. Survie et mutations des sociétés paysannes andines (Cochabamba, Bolivie), IRD Éditions, Paris, 413 p.

Courgeau D, 1975, « Le concept de migration». In: Actes du IVe colloque de démographie africaine, Ouagadougou, 20-24 janvier 1974, 27-33.

DUFOUR D.L, 1988, « Composition of Some Foods Used in North-West Amazonia », Interciência, 13(2), 83-86.

Dufour D.L, 1991, « Diet and Nutritional Status of Amerindians: A Review of the Literature », Cadernos de Saude Publica, 7(4), 481-502.

ELOY L, 2003, « ‘A cidade creceu, minha roça virou quintal’. Le système agraire de la zone periurbaine de São Gabriel da Cachoeira, Amazonie brésilienne », Cahiers des Amériques Latines, 42, 103-122.

ELOY L, 2005, Entre ville et forêt: le futur de l'agriculture amérindienne en question, Thèse de Doctorat en Géographie, Université de Paris III/IHEAL, Paris, 408 p.

Eloy L, 2008a, « La durabilité de l’agriculture amérindienne en question: abattis-brûlis et régulations foncières à l’épreuve de l’urbanisation. Un cas d’étude dans le haut Rio Negro, nord-ouest amazonien, Brésil », Communication au Colloque international Systèmes de production et durabilité dans les Suds, Poitiers, MSHS, 7-8 février 2008.

ELOY L, 2008b, « Dynamiques et adaptation des systèmes agroforestiers dans le nord-ouest amazonien », Bois et Forêts des Tropiques, 295(2), 39-49.

Eloy L., Katz E. 2008 « Food Security and Resource Management in Amazonian Small Towns. An Analysis of Factors Leading to Resilience of Indigenous Food System. »Poster: International Conference of Food Security and Environmental Change, 2-4 April 2008, University of Oxford, UK.

Eloy L., Lasmar C. 2006. “A urbanização no alto Rio Negro: as dinâmicas socioculturais e agrícolas em jogo”, In Ricardo F. (coord.), Povos indígenas no Brasil 2001-2005, Instituto Socioambiental, São Paulo, 237-242.

Eloy L, Le Tourneau F.M, Théry H, 2005, « Une ville dans la forêt: São Gabriel da Cachoeira, capitale du haut Rio Negro (Brésil) », Cybergeo, 304 (24 mars 2005). [http://193.55.107.45/articles/304.pdf]

Emperaire L, 2000. Entre selva y ciudad: estrategias de producción en el Río Negro medio (Brasil). Bulletin de l'Institut Français d’Études Andines, 29(2), 215-232. [http://www.ifeanet.org/publicaciones/boletines/29(2)/215.pdf]

EMPERAIRE L, PINTON F, 1996, « Extractivisme et agriculture dans la région du Moyen Rio Negro (Amazonie brésilienne) ». In Hladik C.M, Hladik A, Pagezy H, Linares O.F, Koppert G.J.A, Froment A. (Eds), L'alimentation en forêt tropicale: interactions bioculturelles et perspectives de développement, UNESCO, Paris (pp. 1231-1238).

Gastellu J-M, 1997, « Economies paysannes et secteur autonome ». In: Gastellu J.M, Marchal J-Y (es.), La ruralité dans les pays du Sud à la fin du XXe s. ORSTOM, Paris, (pp. 240-258).

Grenand F, 1996, « Le manioc amer dans les basses terres d'Amérique tropicale, du mythe à la commercialisation ». In: Hladik M.C, Hladik A, Pagezy H, Linares O.F, Koppert G.J.A, Froment A (Eds.), L'alimentation en forêt tropicale: interactions bioculturelles et perspectives de développement, UNESCO, Paris (pp. 699-716).

Hladik C.M, Hladik A, Pagezy H, Linares O.F, Koppert G.J.A, Froment A. (eds),1996. L'alimentation en forêt tropicale : interactions bioculturelles et perspectives de développement, UNESCO, Paris.

HUGH-JONES C, 1979, From the Milk River: spatial and temporal processes in the northwest Amazonia, Cambridge University Press, Cambridge.

ISA/FOIRN, 2004, Resultados da Pesquisa Socioeconômico-demográfica da cidade de São Gabriel da Cachoeira, ISA/FOIRN, São Gabriel da Cachoeira.

JOHNS T, EYSAGUIRRE P.B, 2006, « Linking biodiversity, diet and health in policy and practice », Proceedings of the nutrition society, 65(2), 182-189.

LASMAR C, 2005, De volta ao Lago do Leite. Gênero e transformação no Alto Rio Negro, ISA/UNESP/NUTI, São Paulo.

MEIRA M, 1997, Índios e brancos nas águas pretas. Historias do Rio Negro, manuscrit.

Melnyk M, 1993, « Incidences de la sédentarisation sur les ressources agricoles et forestières dans le sud du Venezuela », Document du Réseau de foresterie pour le développement rural, 16b (Hiver 1993), [http://www.odifpeg.org.uk/francais/publications/rdfn/16/b.html]

Mesclier E, 2006, « Agribusiness et paysanneries dans la nouvelle donne mondiale ». In: Dureau F, Gouëset V, Mesclier E (Eds.), Géographies de l'Amérique latine. Presses Universitaires de Rennes, Rennes, 171-188.

Moran E.F, 1991, « Human Adaptative Strategies in Amazonian Blackwater Ecosystems », American Anthropologist, 93(2), 361-382.

Moreira E.L, 2003, « Amazônia em movimento: Redes e Percursos de Desenvolvimento dos Índios Ye'kuana, Roraima », Cadernos de Campo (USP), 11.

Pinton F, 1985, « De l'autosubsistance à la dépendance alimentaire: une étude de cas appliquée à une société tribale (Colombie) ». In: CIE. Femmes et politiques alimentaires, ORSTOM, Paris (pp. 485-497).

PINTON F, EMPERAIRE L, DESMOULIERES S, 2001, Marché en hausse, savoirs en baisse ? Diversité variétale du manioc, gestions locales et marché de la farine en Amazonie (Brésil, Guyane),Rapport final du programme « Développement durable en Amazonie, transformation sociale et dynamique des écosystèmes », CNRS, Paris.

Raffestin C, 1980, Pour une géographie du pouvoir, LITEC, Paris, 249 p.

Reboratti C (Ed.), 1986, Se fue a volver. Seminario sobre las migraciones temporales en América Latina, Pispal Ciudad-Cenep, Mexico.

RIBEIRO B.G, 1995, Os índios das águas pretas: modo de produção e equipamento produtivo, Companhia das letras/Edusp, São Paulo, 270 p.

Robert (de) P, 2004, « ‘Terre coupée’. Recomposition des territorialités indigènes dans une réserve d'Amazonie” », Ethnologie française, 34(1), 79-88

Sahlins M, 1997, « O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção (parte I) », Mana, 3(1), 41-73.

Sirén A.H, 2007, « Population Growth and Land Use Intensification in a Subsistence-based Indigenous Community in the Amazon », Human Ecology 35 (6), 669-680.

Souchaud S, do Carmo R.l, Fusco W, 2007, «Mobilidade populacional e migração no Mercosul : a fronteira do Brasil com Bolivia e Paraguai », Teoria e Pesquisa, 16(1), 39-60.

Top of page

Notes

1  Na Amazônia brasileira, a taxa de urbanização é, atualmente, de cerca de 70% (Barbieri et al. 2007). Isso se deve, por um lado, ao crescimento da população das grandes cidades; por outro, ao desenvolvimento das pequenas cidades da “Amazônia dos rios” (Browder & Godfrey, 1997; Eloy et al., 2005).

2  A migração circular, ou circulação migratória, é definida aqui como "uma mobilidade alternativa, repetitiva e cíclica, para além da definição tradicional de migração" (Baby Colin et al., 2003: 8). (trad. livre)

3  Neste texto, o « espaço de vida » é considerado como o espaço que inclui as diferentes residências, mas também os locais freqüentados para as atividades profissionais e os lazeres de um grupo familiar (Courgeau, 1975).

4  A quinhãpira é um caldo de peixe apimentado, geralmente acompanhado de beiju e molho de tucupi preto, com ou sem saúvas (formigas do gênero Atta). A mujeca é também um caldo de peixe apimentado, mas engrossado com o amido de mandioca (tapioca ou goma).

5  Entrevista com Samuel, 49 anos, Desana, oriundo de uma comunidade do rio Tiquié, e que mora em São Gabriel há quatro anos.

6  Dispositivos fixos para capturar peixes na ocasião de suas migrações rio acima, feito de tala de paxiuba, uma palmeira (fonte: http://www.socioambiental.org/pisci/pesca.shtm).

Top of page

List of illustrations

Title Figura 1: Localização de São Gabriel da Cachoeira
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-1.jpg
File image/jpeg, 52k
Title Foto 1
Caption São Gabriel da Cachoeira
Credits C.A. Ricardo@ISA, 1998, in Cabalzar et Ricardo, 2006.
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-2.jpg
File image/jpeg, 20k
Title Foto 2
Caption Beiju de mandioca secando ao sol, numa comunidade kuripako da região de São Gabriel da Cachoeira.
Credits L. Eloy@ISA, 2005
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-3.jpg
File image/jpeg, 40k
Title Foto 3
Caption Mulher baré limpando o peixe que foi pescado pelo marido, no médio Rio Negro.
Credits L. Eloy@ISA, 2006.
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-4.jpg
File image/jpeg, 40k
Title Foto 4
Caption Café da manhã no sitio de uma mulher baré em São Gabriel daCachoeira: de esquerda para direita, e de baixo para cima: cesto de frutas (abacaxi, cupuí, pupunha, cacau), umari (amarelo e preto), frutos de pupunha descascados, bananas ‘nanica’ cozidas no leite, mamão, farofa de ovo, banana verde frita, mingau de goma e café.
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-5.jpg
File image/jpeg, 33k
Title Tabela 1
Caption Custo das calorias e das proteínas em alguns alimentos consumidos em São Gabriel
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-6.jpg
File image/jpeg, 64k
Title Figura 2:
Caption Representação simplificada de uma rede de troca dentro de uma família extensa
URL http://aof.revues.org/docannexe/image/6444/img-7.jpg
File image/jpeg, 46k
Top of page

References

Electronic reference

Ludivine Eloy, « Diversidade alimentar e urbanização: o papel das migrações circulares indígenas no Noroeste Amazônico », Anthropology of food [Online], S6 | December 2009, Online since 20 December 2009, connection on 21 November 2017. URL : http://aof.revues.org/6444

Top of page

About the author

Ludivine Eloy

CNRS, laboratório MTE FRE 3027, Montpellier, ludivine.eloy@univ-montp3.fr

By this author

Top of page

Copyright

Licence Creative Commons
Anthropologie of food est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Top of page